Rua Orestes Beltrami, 330 - Sala 9 I São Lourenço. Curitiba - PR

shukikan.dojo@gmail.com

  • Wilson Sagae

Agir após construir relações de confiança

Updated: Feb 6

Por Shinichi Tohei


Imagine a relação entre pais e crianças, professores e estudantes, chefes e subordinados etc. Quando recebemos conselhos, podemos aceitar se ele vêm de uma certa pessoa, mas não se vêm de outra pessoa. Você já teve essa experiência? Todos têm uma pessoa em particular da qual não querem aceitar conselhos. Por que uma reação diferente ocorre quando recebemos conselhos de duas pessoas diferentes?


A habilidade de aceitar avisos depende inteiramente da relação de confiança construída por nós, ou não. Se você tem uma relação de confiança, mesmo se você recebe uma forma dura de conselho, você pode aceitá-lo. Mas se a confiança não existe na relação, você se opõe e não aceita o aviso. Sendo assim, quem dá os avisos tem de checar se existe uma relação de confiança com a pessoa que recebe o aviso. Isso é muito mais importante do que simplesmente checar o modo de dar avisos.


Um de meus conhecidos é um homem com a melhor das intenções. Ele sente-se livre para falar qualquer coisa que ele pense ser importante para seu parceiro, mesmo se o assunto não é o de maior interesse do parceiro. Podemos dizer que ele é uma pessoa rara nos dias de hoje. O problema é que ele muda sua atitude de acordo com seu humor e ele não consegue controlar isso. Do ponto de vista de outras pessoas, desde que ele perde seu bom temperamento, as pessoas não podem confiar nele. Com esse tipo de natureza, quando ele dá avisos em detalhes sobre qualquer assunto, ninguém quer ouvi-lo. Desse modo ele é muito insatisfeito porque ninguém aceita seu "tipo" de aviso. É um circulo vicioso e ninguém se beneficia.


O ponto importante nunca é "o que avisar" mas "quem avisar". Se há uma relação de confiança estabelecida, o aviso será efetivo. Em muitos livros do tipo "auto-ajuda", as técnicas de comunicar avisos são do tipo "É melhor dar avisos a subordinados deste modo...". etc. No entanto, essas técnicas ganham significado apenas com a existência das relações de confiança. Ninguém quer dar ouvidos a uma pessoa não confiável mesmo que ela tenha excelentes técnicas de comunicação.


Quando instruo em seminários, mesmos as instruções mais duras são importantes, então eu tomo grande cuidado no uso de palavras confiáveis, assim como comportamentos e ações. Se não conseguimos estabelecer uma relação de confiança entre nós, minhas instruções não serão compreendidas. Desse modo, a coisa mais importante para o instrutor é tornar-se uma pessoa confiável. Antes de considerar "o que instruir", precisamos considerar "quem instruir".


Em muitos casos, a primeira impressão é um importante fator no ser confiável ou não. Isso pode ser estabelecido por meio de um número mínimo de ações diárias. Quando dou avisos a alguém, eu cuidadosamente checo como está nossa relação de confiança. Se ela existe, eu posso ir adiante e dar os mais duros avisos sem hesitação. Se não há suficiente relação de confiança, eu aguardo para oferecer o aviso depois que tiver construído uma sólida relação de confiança, ou peço a alguém que tenha essa relação de confiança para dar o aviso a ela. Desse modo a pessoa estará capaz de aceitar o aviso.


Isso é básico: em todos os casos agir apenas depois de construir uma boa relação de confiança. No caso de pessoas que trabalham com vendas, antes de considerar como vender, é importante considerar como construir uma relação de confiança com o consumidor. No caso de um instrutor, antes de pensar como ensinar, é importante considerar como construir uma relação de confiança com os estudantes.


Eu tenho um estudante que é muito popular com as pessoas do sexo feminino. Ele não é especialmente bonito ou aparenta algo especial. Quando eu era solteiro, uma vez perguntei a ele qual a chave para ser popular com as mulheres. Ele respondeu: " Eu apenas coloco em prática o que você (Shinichi sensei) me instrui a fazer". Eu comecei a gargalhar de mim mesmo.


A seguir está a prática e o modo de validação:

Pontos de prática ・Antes de instruir (avisar) alguém, cheque a relação de confiaça com essa pessoa.

・Instrua (avise) apenas depois de construir uma relação de confiança, ou instrua (avise) através de uma pessoa que possua essa relação de confiança com quem deve receber a instrução (aviso).

Pontos de validação ・Observe o modo como seu parceiro recebe seus avisos depois que a prática foi feita.

17 views