Batize seus erros!

A gente começou a dar aulas online no dia 24 de março de 2020, sem nem fazer ideia de como seria isso. Afinal, muito da prática de Ki Aikido tem rolamentos por um espaço razoável e técnicas feitas por duas pessoas, então fica a dúvida do que poderia ser adaptado. Mas uma coisa a gente sabia que dava pra fazer: treinar bokken (espada de madeira).


O treino de bokken é muito importante para o ki aikidoca, pois ao regular seu corpo para o melhor uso da espada você está regulando seu corpo para todo o resto. Também há o fato de buscar a união entre força, velocidade, harmonia e repetição, o que acaba por requerer do praticante uma determinação física e mental que ajuda não só em Ki Aikido.


Alguns alunos nunca tinham treinado com bokken em casa, pelo menos não na área que tinha computador, televisão, etc, então começaram a acontecer pequenos acidentes.


- Sensei, meu teto é meio baixo

- Sem problemas, faz em seiza ou em Zagi (posições de joelho)


- Sensei, quase quebrei a janela!

- Então vamos melhorar pra que da próxima vez você consiga quebrar. (falado com ironia, não de verdade, não queremos que os alunos quebrem nada em casa, apenas preconceitos).


- Sensei, fiz um furo na parede.

- Então batize o furo, porque agora ele é seu companheiro de treino.


E, desde então, todas as vezes que um aluno faz um furo na parede, ou no teto, ou onde for, esse furo é batizado. Foi esse batismo que levou a reflexão de hoje.


Erros são pequenas vergonhas que sempre queremos esquecer, são momentos em que não estivemos no nosso melhor, em que foi impossível realizar aqui que tinha em mente da melhor maneira possível. Por isso esses são escondidos, enterrados, deixados pra trás. Mas alguns destes erros foram feitos na melhor das intenções e, graças a eles, hoje é possível dizer e ver o quanto você melhorou.


É compreensível, especialmente os erros que a gente considera mais terríveis, aqueles pelos quais passamos e nos tornamos uma outra pessoa, que você não queira ficar relembrando deles para não traumatizar - ou re-traumatizar. Mas os pequenos erros são você! Ninguém é um personagem de comercial de margarina na vida real, somos um saco cheio de milhares de errinhos e uns acertos, aqui e ali, para continuar errando nessa vida.


Lembre-se: errar também carrega o significado de errante, aquele que caminha, e nós praticamos uma das várias artes japonesas que tem o kanji "do" (caminho) em seu nome.


Errar faz parte do treino. Errar faz parte da vida. Por isso não fique se importando muito com o seu erro, até pra que você mantenha a sua harmonia para continuar errando junto com a gente por este caminho.



PS - Everlyse e Maristela são meus. Faixas-pretas nos dão a liberdade de errar com alegria





12 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

A Vida de Tempu Nakamura (6)

Por Sawai Atsuhiro RETORNANDO AO JAPÃO Antes de voltar ao Japão, Saburo foi à terra, em Shangai, para uma troca de navios. Ali ele encontrou um de seus velhos amigos, o sr. Enza, embaixador japonês na

A Vida de Tempu Nakamura (5)

Depois de alguns dias, Saburou notou que era capaz de ouvir cigarras trinando, o som do vento tocando a folhagem, e mesmo o uivo de uma pantera e de um lobo no fundo da floresta. Feliz, ele contou tud

A Vida de Tempu Nakamura (4)

Por Sawai Atsuhiro PRIMEIROS PASSOS NO CAMINHO Enfim Saburo começou seus treinos em yoga. O mais importante passo foi aprender como realizar kumbhaka, um estado psicofísico que era dito estava relacio