• Victor Vaz

Faixa Preta, estado da mente

Num dia de reflexão, me dirigi até uma pessoa que julgo ser mais sábia do que eu e perguntei:

- Sinto que não estou preparado para o exame de Faixa Preta do ano que vem, o que faço?

E ele respondeu:

- Se você praticar Aikido 1 vez por semana, deve treinar por 1 ano para fazer o exame. Se praticar 2 vezes por semana, deve treinar por 2 anos. Se praticar 5 vezes por semana, deve treinar por 5 anos.


Nesse momento é normal fazer um comentário mental "Essa frase não faz sentido". Porque ela ao pé da letra não faz mesmo, mas a questão é:

Quanto mais se sabe sobre um assunto, mais se tem conhecimento do que falta para aprender. Portanto, surge a questão, o quanto devemos treinar até fazer o exame de faixa preta?


No dia de hoje falta menos de 1 mês para o meu exame. O representante da Ki Society vai estar lá. Me analisando, e, fazendo isso, vai estar automaticamente analisando meus instrutores. A responsabilidade é grande.


Sabendo disso, a frequência dos treinos aumenta a cada semana:

Terça e Quinta;

Segunda, terça e quinta;

Segunda, Terça, quinta e sábado;

Segunda, terça, quinta, sábado e domingo.


Mas por que?


Logo após dizer aquela frase aparentemente sem sentido, a mesma pessoa me falou:

- Victor, eu sei do que você é capaz, dê o seu melhor e treine o quanto você puder.


Portanto os treinos não são mais para aperfeiçoar as técnicas, são para relaxar o corpo, relaxar a mente, concentrar no ponto um, não perder a postura enquanto faço as técnicas, manter a conexão com uke. Estender ki.


Então é isso que tenho feito, treinado para dar meu melhor.


Uma técnica melhor do que a anterior;

Um dia melhor do que o anterior;

Uma hora melhor do que a anterior;

Um minuto melhor do que o anterior;

Um segundo melhor do que o anterior;

Um instante melhor.


Por isso que agora pego meu Dogi e meu Hakama e vou para o treino das 20h.


Fiquei escrevendo esse post até 19:50, talvez eu me atrase.


Bom, é para isso que treino, para melhorar. Da próxima vez me planejo melhor.


Seguindo assim não sei qual vai ser o resultado do meu exame, mas sei que estarei melhor do que estou hoje, dando o meu melhor.


Para mim, isso já basta



15 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo

A Vida de Tempu Nakamura (6)

Por Sawai Atsuhiro RETORNANDO AO JAPÃO Antes de voltar ao Japão, Saburo foi à terra, em Shangai, para uma troca de navios. Ali ele encontrou um de seus velhos amigos, o sr. Enza, embaixador japonês na

A Vida de Tempu Nakamura (5)

Depois de alguns dias, Saburou notou que era capaz de ouvir cigarras trinando, o som do vento tocando a folhagem, e mesmo o uivo de uma pantera e de um lobo no fundo da floresta. Feliz, ele contou tud