Não só autodefesa, mas um bom estilo de vida

Fuçando na internet encontrei este post do Matthew Attarian, que está estudando Ki Aikido no Japão. Pedi autorização dele para traduzir seu post para Português.

"Uma coisa que o meu professor tem compartilhado muito , recentemente, é sobre quando o fundador do Ki Aikido, Soshu Tohei Koichi Sensei, trouxe a arte do Aikido para os EUA. Naquele tempo, Tohei Sensei explicou para todos que Aikido não era só auto defesa (X), era uma maneira de levar a vida (x). Não há nada de errado em querer aprender autodefesa, mas uma autodefesa plena é impossível. Por exemplo, se a pessoa está num avião e este cai, não há como se defender. Se alguém sofre um ataque cardíaco não há como se defender. Mesmo com armas e outros estilos marciais, nós não conseguimos nos defender 100% de outras pessoas. Um pequeno aparte: isso não significa, entretanto, que nós deveríamos ser capachos e deixar que pessoas, doenças e outros problemas nos aconteçam. Temos que nos manter em pé por nós mesmos, pelos amigos, família, pela nossa saúde, etc. Mas não importa o que aconteça, nós ainda somos vulneráveis, e em algum momento nós morreremos (desculpe a morbidez). Mas tudo bem. Nós não devemos nos preocupar com algo que vai além do nosso controle. A morte nos dá mais motivos para estar presente e agradecido pelo agora. Focar no agora e fazer o melhor dentro das nossas possibilidades de aproveitar melhor o nosso tempo. Eu acredito que este é um dos ensinamentos que o Ki Aikido (tenho certeza que os outros estilos de Aikido) pode nos ajudar a aprender. Não apenas aprender uma arte marcial, mas também um estilo de vida que podemos usar fora do dojo para que possamos aproveitar melhor nossas vidas. Escolher focar no positivo em vez do negativo. E não apenas pensar em si mesmo, mas nos importar com o outro e saber nos colocar no lugar do outro."


Postagem original no Instagram dele: clique AQUI.


Blog do Matthew Attarian: https://www.mattarian.net/


10 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

A Vida de Tempu Nakamura (6)

Por Sawai Atsuhiro RETORNANDO AO JAPÃO Antes de voltar ao Japão, Saburo foi à terra, em Shangai, para uma troca de navios. Ali ele encontrou um de seus velhos amigos, o sr. Enza, embaixador japonês na

A Vida de Tempu Nakamura (5)

Depois de alguns dias, Saburou notou que era capaz de ouvir cigarras trinando, o som do vento tocando a folhagem, e mesmo o uivo de uma pantera e de um lobo no fundo da floresta. Feliz, ele contou tud